CIMBRAMENTO DE MARQUISES

Cimbramento ou escoramento é uma estrutura provisória feita de madeira ou metal, utilizada como suporte das fôrmas horizontais de vigas e lajes, capazes de receber e transmitir o carregamento atuante até o piso ou pavimento inferior.

Nas reformas de marquises é necessário a realização do cimbramento. Isso porque, o trânsito de operários e equipamentos geram uma sobrecarga na estrutura. A escora por sua vez, recebe esse carregamento de tal maneira que o elemento estrutural em manutenção não seja solicitado.

Para entender a forma correta de se escorar uma marquise é necessário conhecer o comportamento das lajes em balanço. Estas são elementos estruturais, nos quais, os esforços de flexão são preponderantes. O momento fletor atuante sempre será negativo, ocasionando uma tração na região superior da laje e uma compressão na região inferior. Como o concreto não é resistente o suficiente ao esforço de tração, faz-se necessário o uso de armaduras nessas regiões, que recebem o nome de armaduras negativas. Tendo conhecimento da funcionalidade estrutural das marquises, e como estas são armadas, o cimbramento e o descimbramento devem ser realizados de tal modo que não altere o comportamento dos esforços solicitantes.

Abaixo serão apresentados os possíveis comportamentos dos esforços solicitantes nas marquises de acordo com o modo escorado:

ESTADO NORMAL DE UTILIZAÇÃO

Imagem de marquise normal- cimbramento

ESTADO NORMAL DE UTILIZAÇÃO – CARGAS

 

ESTADO NORMAL DE UTILIZAÇÃO – SEM CIMBRAMENTO

 

No estado normal de funcionamento, a marquise tem uma configuração engastada-livre, gerando um momento fletor negativo Ma, utilizado para o cálculo da armadura negativa.

ESTADO NORMAL DE UTILIZAÇÃO – ARMADURA PRINCIPAL

ESTADO DE MANUTENÇÃO

Escoramento correto

ESTADO DE MANUTENÇÃO – CIMBRAMENTO DESEJÁVEL

Marquise e carro

ESTADO DE MANUTENÇÃO – ESCORAS AO LONGO DO VÃO

Diagramas Marquises

Ao escorar a marquise por todo o seu vão, os momentos fletores se distribuem entre positivos e negativos. Como as escoras estão bem próximas umas das outras, o efeito desses esforços são praticamente desprezíveis. No entanto, é necessário se precaver enquanto à ordem de colocação das escoras, respeitando sempre o estado normal de operação:

ESTADO DE MANUTENÇÃO – CIMBRAMENTO E DESCIMBRAMENTO

Sentido das Escoras

ESTADO DE MANUTENÇÃO – CIMBRAMENTO INDESEJÁVEL 

Escoramento Indesejável

ESTADO DE MANUTENÇÃO – ESCORAS NA EXTREMIDADE DO VÃO

Escoramento Indesejável

ESTADO DE MANUTENÇÃO – ESCORAS NA EXTREMIDADE DO VÃO: CARREGAMENTO

Carregamento Indesejável

Ao escorar a marquise apenas na extremidade do vão, o momento fletor positivo gerado é bastante considerável. Para realizar escoramentos desse tipo, deve-se ter conhecimento do projeto estrutural original da laje em questão.Pois, será necessário avaliar se a armadura secundária existente suportará esse novo esforço gerado. Na ausência de cálculos e/ou verificações que provem o contrário, a forma mais correta de se realizar o escoramento de uma marquise é introduzir apoios ao longo de toda a sua extensão, com escoras desde sua extremidade até o engaste. Realizando assim, uma manutenção segura.

Criado por:      Aílton Cândido

Engenheiro Civil, Cursando Disciplinas de Mestrado no CEFET MG – Modelagem Matemática e Computacional

2 thoughts on “CIMBRAMENTO DE MARQUISES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Fale com um Engenheiro no WhatsApp!